quarta-feira, 23 de abril de 2008

Dos "Cadernos de Poesia": Sobre a Arte de Molhar os Pés


Também eu, de vez em quando, aprecio estar viva.
Ao pé do mar, apraz-me olhar de longe os sentimentos,
perguntando-me se são meus. Imaginando que
de fato me pertencem esses rastros de uma suposta
humanidade. Apraz-me constatar que o verão
não basta, que os seus restos me perseguem, fossilizados,
material de construção. Mas só pensar "isto me apraz"
já me derruba. Não era para haver uma distância?
A varanda deveria ter ancorado lá, nos dias de verão.
Era então possível vislumbrar os sentimentos ao longe,
boiando, à deriva - lambidos, desgastados, polidos
pelas ondas, engastados no verde móvel ululante,
pequenas jóias. Por obra e graça dos ventos,
esse tesouro ia então crestando ao sol, dourando
a espuma fria, servindo à vezes de pasto às fêmeas
de tubarão. Seu bem mais precioso era a chave
de um antigo poder - arrastar-me de novo às profundezas.
Lá, naquele abismo submarino, teu ossário resplandecia,
trêmulo de algas, sussurrando, à minha espera. Como antes.
Mas então me faltou o ar - defeito de fabricação -
e voltei mais cedo. Ou tarde demais. Agora me falta
o mar. Os sentimentos me machucam os pés
na areia dourada, olham-me de longe os restos de
um naufrágio. É hora de trabalhar. Apraz-me, serenamente,
esse ofício que um dia me escolheu.
Words by Lívia Soares
Painting by David Inshaw

20 comentários:

RioFan disse...

Olá! Seu blog eh muito bacana!

Acho que tem tudo a ver com a proposta do RIOFAN-Festival Internacional de Cinema Fantástico do Rio de Janeiro.

Acesse o nosso site: http://www.riofan.com.br/
e ajude-nos a divulgar o RIOFAN no seu blog e em outros tb!

Valeu!

Brígida Oliveira
brigidacacau@hotmail.com
(divulgação)

Nena Dolores disse...

Lívia


Gostei muito desse post, pela fluidez de sua linguagem. Quase posso ouvi-la.

Demorou, mas voltou muito bem, parabéns!

Abraços

Tinta Azul disse...

Querida Lívia,
Ainda bem que voltou!
Saudades das suas belíssimas palavras
e de si também.
Um abraço

JuanBM disse...

Estimada Livia

Hacía tiempo que no pasaba por tu casa y hoy me he encontrado este poema que habla de todos los sentimientos que rodean a estar vivo, a ser frágil, a remontar el vuelo, a no perecer después de una tormenta.

Y te agradezco tus comentarios siempre tan hermosos.

Un abrazo

victor lopez ruiz disse...

Livia me ha encantado que me visitaras, que mas da el idioma que empleemos, tu idioma es universal y total, las sensaciones como las que destila tu blog se sienten a traves del corazon y del septimo serntido que es la mente, que no tiene pais, color de piel ni barreras de ningun tipo, me han impresionado tus poesias, tienes una gran sensibilidad y talento, te incluyo en mis enlaces como no podia ser de otra manera, eres ya otra compañera de camino hacia el arco iris que esta mas alla de los sentidos, seguire en contacto contigo.

Un caluroso abrazo

Victor

Jorge Elias disse...

Livia,

Foram tantas visitas sem encontrar aqui um novo poema...
Sempre revirava suas páginas em novas leituras (novos momentos).
Faço minha as palavras acima.

Um abraço,

Jorge Elias

mariadosol disse...

Como sempre imagens e palavras belas
:)

Graça Pires disse...

"Os sentimentos me machucam os pés
na areia dourada, olham-me de longe os restos de um naufrágio".
Gostei imenso do texto. Um beijo.

Vieira Calado disse...

Gostei muito das suas words!
Um beijinho

Tania disse...

Olá querida Lívia,

Que alegria o seu regresso... sentia saudades dos seus cadernos de poesia e da sua presença amiga neste mar de palavras, sem distâncias.

O poema é lindo, revela imagens e sensações - que são intensas, e ao mesmo tempo, serenas...

Um abraço enorme, bom feriado!

José Boldt disse...

Novamente a palavra
e a poesia,
assim,
fica muito mais facil
fazer fotografia.

obrigado Livia

com amizade
zé boldt

Analuka disse...

Apraz-me saborear, degustar, tua escrita primorosa, Lívia!... sentir como colocas temperos nas palavras, sutilezas nas entrelinhas, fiapos esgarçados de mar, algas e sal entre as letras!... Lindo texto, querida. Deixo beijos e abraços alados, e peço perdão pela ausência: não tenho conseguido visitar os blogs de amigos e amigas, como aprecio... Mas aos poucos, voltarei a voar pelos jardins.

Áh! A conjunção de teu texto com a imagem pictórica ficou perfeita, uma delícia!

João Videira Santos disse...

"...Lá, naquele abismo submarino, teu ossário resplandecia,
trêmulo de algas, sussurrando, à minha espera..." - Gostei. Por ser diferente e pelas "imagens" que transmite.

scaramouche disse...

parabéns pelo blog.
scaramouche.

Vieira Calado disse...

É bom rever e ler, já antigos amigos da blogosfera.
Bjs

Van disse...

Lindo Livia!!!!!
Palavras perfeitas e imagens idem.

Beijucas

Analuka disse...

Estar viva é um dos maiores mistérios, milagres! Abraços alados.

Tinta Azul disse...

Que bom foi ter, de novo, a sua visita.
Que saudades já tinha.
Que esteja tudo bem consigo é o que desejo.
Com um abraço

mdsol disse...

Então? Nãp temos direito a mais posts?
[€spero que esteja tudo bem]
:)

Analuka disse...

Pouso por aqui, mais uma vez... pequeno mergulho, ou vôo... para saborear: poesia e sereia, magia... e deixar meu beijo alado, pintaado...