sábado, 25 de outubro de 2008

Dos "Cadernos de Poesia": O Mundo Sem Elas



Falemos de nossos blogs, falemos sempre.
Há metafísica bastante num blog. Garrafa
ao mar, cada uma em sua ilha de edição,
cada qual mais ocupada em fabricar
o duplo angélico de si mesma: quanta sutileza
nos jogos de luz e sombra... em que pensava ela
ao escolher tal ângulo? Que feliz escolha
de palavras e silêncios...em que pensava ela
ao escrever tal verso? E assim seguimos,
passando ao largo de nossos mares, os minutos
breves demais para conter as ilhas na corrente,
os dias retesando (em vão?) o arco da promessa -
e o paradoxo que nos faz mais belas.


Words by Lívia Soares
Photo by Victor López Ruiz (slightly modified)

13 comentários:

Vieira Calado disse...

Falemos dos blogs, pois.
Falemos deste universo
onde descobrimos outros,
que têm tanta coisa em comum connosco.

Bjs

victor lopez ruiz disse...

me siento halagado y feliz de ver el maravilloso complemento de tus letras con mi fotografia, tu poesia
y mi fotografia parecen haber sido creadas la una para la otra, gracias por ponerle palabras a mi mirada.

Un gran abrazo

Victor

marcella rarumi disse...

olá, livia! como vai, tudo bem?
.. acho que até hoje você foi a única pessoa com quem identifiquei uma maior descoberta sobre minhas próprias coisas. foi você quem conseguiu melhor entender o sentido desnorteado que despejo naquele blog, isso mesmo: bilhetes. 'falemos de nossos blogs', você tem~uam visão cada vez mais íntima das coisas, hein? ainda que não se sinta assim. bjs

Jorge Elias disse...

Lívia,

Sobre certos assuntos devemos discorrer como vc fez - de maneira direta.
É bom poder compartilhar um olhar crítico sobre o que traduz, na realidade, o sentido desse dizer sem olhar chamado blog.
Esse processo de sedução, de auto-convencimento.
Cada qual com a verdade capaz de tolerar sobre sí mesmo.
Somos muito mais complexos do que nossas imagens e nossos textos.
Mas nós, poetas, temos a felicidade de, ao menos, termos o subterfúgio da escrita.
Bom... Talvez eu consiga me expressar apenas em meus poemas... Mas isso que eu tinha que dizer sobre o que vc me fez refletir.

Um grande abraço,

PS: publiquei na CRONÓPIOS uma pequena antologia de poetas capixabas. Dê uma olhadinha.

Jorge Elias

mdsol disse...

Gostei tanto da ideia da "garrafa ao mar" ... é (também) isso! Porque náufragos somos todos, em qualquer momento. Só não o é quem não navega! E, navegar é preciso, viver não é preciso!
É sempre um momento alto passar por aqui!
:))

Tinta Azul disse...

Querida Lívia,
Que palavras exactas.
Que bom quando você escreve um texto novo.
:)

O Blogue vestiu-se bem bonitinho.

Bjs

José Boldt disse...

olá, Amiga Livia

Este texto vem mesmo a calhar, porque concedi-lhe um Prémio
lá no Escrever com luz.

Vale o que vale,
mas foi para assinalar que se pode denunciar as coisas que nos incomodam tambem a travez da Arte poetica e este Blog é bem prova disso.

com amizade
José Boldt

Benó disse...

Através dos blogues conhecemo-nos sem nos conhecermos. Podemos despirmo-nos sem mostrar nudez. Ao escrever sentimos o céu sem tirar os pés da terra.

Um abraço e boa semana são os meus desejos deste lado de cá do oceano.

Graça Pires disse...

"Garrafa ao mar, cada uma em sua ilha de edição"
Gostei da definição.
Um beijo.

rogerio santos disse...

Lívia, obrigado querida... farei o mesmo.
E voltarei para ler as tuas coisas com mais calma...
Beijos
Rogerio - SP

mdsol disse...

SEmpre palavra sbelas e estimulantes. è sempre um prazer redobrado ler a Lívia!
:))

momo disse...

Me gusta tu blog, así de entrada siempre hay algo que te atrapa de los blogs , eso hace que te quedes o no en ellos , yo quiero repasar el tuyo , me dejas?Un abrazo

Analuka disse...

Muito belo! Sempre é bom, fecundo e prazeroso pensar e falar, escrever, sobre a potência da criação a partir, ou através, das palavras aladas... Sim, muitas almas tecelãs de sonhos, de mundos inventados, duplos ou múltiplos de si, e , porque não, de caminhos possíveis! Abraços alados.