terça-feira, 18 de novembro de 2008

Dos "Cadernos de Poesia": La Dame Est Bien Dans Sa Peau



Não sei que rumor é esse. E sei muito bem.
É como se um caderno antigo se deixasse folhear pelo vento.
É o ruflar das asas do desejo indo ao encontro da memória,
essa distração que me mantém viva. "Olha", disseste,
"está acontecendo outra vez", disseste ainda, num tom
de invocação e foi o quanto bastou. Nossos poderes
se espreguiçam sob a relva, os plátanos parecem
feitos de âmbar e mel silvestre. Como tudo se renova,
bafejado pelos séculos! De perto, a gente pode vê-las
perdendo as folhas, o tronco se descama - tua voz
recriando a realidade, tua boca exalando as sílabas
farfalhantes, a tarde inédita, de repente. Uma lufada
de vento frio demais para uma dama - ou duas. Longe,
tão longe a idade das palavras vãs - mas ninguém te preveniu
sobre a embriaguez do orvalho? Ficamos importantes demais,
era fatal que empalidecêssemos, nós, os últimos reflexos
do rubi no fundo da taça, a cena em sépia que ameaça
eternizar-se. Talvez tenhas dito "amor" alguma vez.
"Rumor" foi a palavra que escolhemos, a voz entrecortada,
os lábios entreabertos, as palavras se partindo em
meio às folhas, perfumes que não soubemos nomear.
No lugar do teu nome, o silêncio voltando a ser
apenas um halo de luz roubada do nosso esplendor.
E sopraste:"É só mais uma estação que se inicia".
Eu não duvido, meu amor, meu doce delírio,
faz de conta que os anos não passaram. Os anos desfolharam
e as páginas dos caderno são mais belas assim, amareladas.


Words By Lívia Soares
Photo by Maysa de Albuquerque


14 comentários:

Analuka disse...

Maravilhoso, delicioso, inebriante texto, caríssima Lívia!!! Demorei a pousar por aqui, mas agora, que prazer beber tuas palavras aladas... pintadas... bordadas de tons de amor, esperança, renovação infinda dos tons da ternura!... Grata pelas visitas delicadas ao meu blog. Gostaria de saber se, um dia desses, poderia publicar algo teu lá em Ânkoras & Asas. Beijinhos azuis.

líria porto disse...

cara lívia
hoje vim para retribuir-te a visita a meu blog - também gostei do teu espaço literário e voltarei - já o coloquei entre meus favoritos!
beijão e obrigada!
líria porto

Vieira Calado disse...

Muito belo!

Obrigado por nos mostrar.
Bjs

jorge disse...

Prezada Lívia,

Belo e sensível texto.
Alguns dias atrás, quando olhava seu Blog, fiquei observando a pintura da jovem adormecida (penso) dispersando flores pelo ar. Resolvi escrever um poema e enviá-lo.

DESPEDIDA

Existe uma impossibilidade
nessas flores que brotam
na boca da menina adormecida.

Será a fuga
do sonho?

A despedida
da alma?

Ou uma mecha
do universo?

Mas a menina apenas dorme
com a ilusão brotando
em um beijo.

Penso em melhorá-lo, mas não resistí em te enviar assim mesmo.

Jorge Elias

Graça Pires disse...

Muito bom este poema Lívia. Um beijo.

mdsol disse...

Os seus textos são sempre brilhantes!
:)

momo disse...

Alguém que caminha decididamente em direção à Luz, "with a little help from my friends".
Que bello es eso.como ves ya aprovecho cualquier momento para pasar a saludarte.
un abrazo

Tinta Azul disse...

Querida Lívia
Belíssimo.
Como é bom quando você escreve aqui.


:)

vendaval com poesias disse...

Olá Lívia
Quanta delicadeza nesse "rumor" sem nome, nessa estação sem data, nesse orvalho que entorpece...

adoro seus escritos, gosto dessa sensibilidade que tem na alma,que deposita nas palavras,
para mim o verdadeiro encantamento nessa arte de escrever e descrever os sentimentos
abraço grande

victor lopez ruiz disse...

Un placer despues de mucho tiempo, demasiado, de no pasear por tu blog y respirar talento y sensibilidad.

Un abrazo

Victor

líria porto disse...

oi, lívia - sinta-te à vontade! aceita cafezinho, pão-de-queijo?? casa de mineiro é assim, hospitaleira...
besos

Márcia disse...

Lindíssimo texto, Lívia. O final é arrebatador.
Primeira vez aqui. Voltarei muitas vezes. Com certeza.

fred disse...

Muito bom, Lívia.
Beijos

mdsol disse...

Lívia, está tudo bem?
:))