quarta-feira, 15 de setembro de 2010

Dos "Cadernos de Poesia": As Praias Bárbaras




O verão condena tudo o que é vivo à existência.
Pode até mesmo levar a nocaute algumas rosas.
Aqui em casa, eu juro, as rosas olham na direção
do mar. É quase possível ouvi-las a suspirar
na tarde morna. Por que não se resignam?
São tão frágeis as margens da alegria...
O verão é o fundador deste país efêmero
onde os pés não conseguem desgrudar do solo,
a tirania do calor reivindica ilhargas e omoplatas,
não bastasse o baixo-ventre em tumulto,
há muito tempo sob o (des)governo seu.
Dissimulada pela brisa, escravidão telúrica:
suaremos copiosamente a cada passo,
mergulharemos em paixões e excessos,
algumas rosas desmaiarão de puro tédio.
Mas as noites, ah, as noites hão-de trazer jóias
sobre veludo azul, a começar pelo céu.



Words by Livia Mara Soares
Image by Angie Wang (somewhat modified)

20 comentários:

Vieira Calado disse...

Gostei muito do seu poema!

É obra de artista!


Saudações poéticas

livia soares disse...

Muito grata pela amável visita
e pela leitura atenta.
Um abraço.

José Boldt disse...

olá, Livia

Vou encostar uma fotografia minha a uma frase deste belissimo poema.

obrigado querida Amiga.

zé boldt

livia soares disse...

Dear Zé,
the pleasure and the privilege are mine.
Um abraço.

Blog da Bebeth disse...

Obrigada pela visita!
Simpático aqui também e poético.
Particularmente eu prefiro o inverno.
Bjo

Por que você faz poema? disse...

E que venha a noite.

Graça Pires disse...

O verão: das paixões e dos excessos...
Sim, eu ouço suspirar as suas rosas, porque as minhas também suspiram...
Um beijo.

livia soares disse...

Bebeth, Herculano, Graça...
muito obrigada por sua atenção e pela generosidade da sua leitura.
Um abraço.

Blog da Bebeth disse...

Oi Livia!
Muito bom dia pra vc.
Obrigada pelas palavras usadas para descrever meu blog.
Nem sei se é tudo isso ... mas achei bonitinha a sua colocação ... sinta-se sempre à vontade ao entrar lá.
As portas e janelas estão abertas sempre pra vc viu?
Beijo

* Felicidade Clandestina disse...

que coisa mais bela :) e a ilustração casou muito bem!!!


as rosas... pude sentir daqui cada uma delas.

Tania disse...

Querida Lívia,

Quanto tempo... eu também andei sumida nos meus silêncios, mas muitas vezes passei por aqui.

Adorei o poema, tecido com força e beleza. E essa imagem das rosas, suspirando, as margens da alegria...

Um grande abraço, feliz pelo seu regresso.

Tânia

Jorge Elias disse...

Livia, seus poemas estão cada vez mais maduros.
Parabéns.

rarumie disse...

que ares bons os daqui :)

Hilton Valeriano disse...

Uma poesia sensível...Belo!

livia soares disse...

Bebeth, Felicidade, Tania, Jorge, Marcella, Hilton... é uma grande alegria ter vocês aqui.
Em breve estarei passando para conferir os bons achados e os preciosos insights que brotam em suas janelas.
Um abraço.

Benó disse...

Gostei de ler" São tão frágeis as margens da alegria".
Obrigada pela alegria das suas visitas.
Tenha um bom fim de semana que por aqui anuncia chuva.

mdsol disse...

Palavras poderosas, Lívia.

"Mas as noites, ah, as noites hão-de trazer jóias
sobre veludo azul, a começar pelo céu. "

Bonito!

:))

livia soares disse...

Benó, MDSol,
é com grande alegria que as vejo reaparecerem por aqui.
Bem-vindas. Em breve estarei passando em revista os seus preciosos achados.
Um abraço.

Benó disse...

As rosas continuam a suspirar na tarde morna.
Um abraço, Livia.

livia soares disse...

Querida Benó,
grata pelas visitas tão amáveis.
Um abraço.