quarta-feira, 5 de dezembro de 2007

Dos "Cadernos de Poesia": O Que Me Disse a Mandrágora





...defloramento, por exemplo, é uma palavra


linda. Convida a violar o lacre de uma flor


de carne. Uma vez aberta, a flor


simulará resistência ao avanço daquele


que pretende entrar. Mas nem tudo


será verdade. Quando o abismo chama,


há que contar com anedotas do destino,


ritos que se cumprem sem pergunta.


A flor de carne, pétalas se movendo


em círculos concêntricos por força do


instante - matrimônio de luz e trevas -


devolve o menino ao mundo.


"Pequena morte, pequeno monstro,


que poder nos traz aqui?" Isso


diria o menino, se pudesse. Não pode.


E, no entanto, move-se.


Words by Lívia Soares

Painting by Christopher Mir

24 comentários:

Ch disse...

Minha cara Lívia;
.
O poema da mandrágora desafia análise profunda, quase de imersão total nos pensamentos que os versos como estes expressam tão perfeitamente.
.
O que as velhas e queridas leituras pagãs não proporcionam com suas informações privilegiadas, não é mesmo?
.
Cheguei até a fazer uma espécie de "regressão" aos bons tempos, antes do "grande expurgo", quando ainda ousava me deslumbrar com essas coisas.
.
Mas a velha curiosidade de pesquisador continua latente, feito brasa dormida. Por isso, com a sua aquiescência, lerei mais uma vez o belo poema.
.
Abraço do
Carlos

Tinta_Azul disse...

Cara Lívia,
Belíssimas as suas palavras.
Um abraço e bem haja pela sua delicadeza.

Edna B. disse...

Querida Lívia

Achei maravilhosa a forma instigante de como conduziu seus versos nesse "defloramento" na verdade tão poeticamente retratado, concorda?
não pude deixar de lembra-me de Hilda Hilst, creio que pelo encantamento,envolvimento e doçura ao expressar temas profundos,
que na verdade estão entranhados dentro de nós.
Resta-me parabenizá-la, vc e Ch seguem um belo caminho e quem sabe poderiam lançar um livro em conjunto? seria um começo o que acha?Ambos possuem o mesmo requinte com os versos

Lívia vamos trocar idéias qualquer dia
no mais agradeço seu carinho e incentivo, agradeço muito, e deixo aqui um abraço grande

Nena Dolores disse...

Lívia

Sua visita é motivo de alegria para mim e suas palavras tão simpáticas me incentivam a também pesquisar "bibliotecas" afora.
Obrigada, viu?

Quanto aos espaço, o que dizer senão o que já foi dito? Gosto muito de vir e acompanhá-la, pois faz um tempo que a visito, antes como anônima. Parabéns!

Beijo carinhoso

Benó disse...

Só hoje me foi possível ler com profundidade o seu poema. Quanto erotismo o mesmo encerra quando diz
..."Uma vez aberta, a flor simulará resistência ao avanço daquele que pretende entrar."
Um grande abraço para o Brasil.

Tania disse...

Querida Lívia,

É um belo poema. E tem essa sua marca, esse algo que percebí logo nas primeiras leituras: além do ritmo exato entre as palavras e os silêncios, a escolha de belíssimas metáforas, sempre uma surpresa.

Um grande abraço!

Elson Cardoso, Brasil disse...

Lívia:

O poema pulsa como um coração verbal.

O poema cintila como uma reflexão surreal.

O poema dialoga numa explosão total.

(Visite meu site, quando puder:

www.entre-textos.blogspot.com)

schadenfreude disse...

Ah...Amo textos assim.
Creio eu que se acreditasse em vidas passadas ou futuras fosse um adorador pagão.
Amo dualidades, paradoxos e o livre arbítrio, gosto de palavras que atingem mais que o olho de quem lê.
Defloramento, esse rasgar de coisas puras, a transformação do corpo e da mente, alias de todos os ambientes me fascina, assim como a bondade e o pecado, que nem sempre sabemos qual é qual, alias, lembra me uns textos antigos meus.
Que por mais que eu tente continuam se parecendo com os novos.
Que poder nos traz aqui?Queria eu saber, o que faz com que os poetas sejam diferentes dos seres normais, por que temos esse poder de transformar palavras ou textos curtos em historias que podiam jurar ser verdade, ou jogar a verdade em palavras para faze-las serem entendidas como fantasias de uma mente doentia.
Que poder nos traz aqui?
Parabéns.

Tinta_Azul disse...

Quando volta, Lívia?
Acho que todo o mundo está com saudades suas.
Abraço

Vieira Calado disse...

Eppur si muove, como disse o outro.
Olhe, venho desejar-lhe uma quadra feliz, com paz, passada em família.
Beijinhos

JuanBM disse...

Estimada Livia

Hondo este tu poema, con esa flor en mitad de él, de donde nacen todos los misterios, todo lo humano.

Estos días descanso un poco. Te deseo hermosos días al lado de los tuyos.

Un abrazo

Platero disse...

Esse poema é mesmo mito bonito.

Gostei de o ler, eu que sou uma pessoa mais de imagem do que das letras.

Aproveito para desejar Boas Festas.

um abraço

Graça Pires disse...

Um Natal de luz e amor e um ano de 2008 muito feliz.
Um beijo.

José Boldt disse...

Só peço aos Deuses que as minhas fotografias lhe dêem o mesmo prazer que a sua Poesia me da,
eu sei que não é fácil,
mas eu ando-me a esforçar.

Um beijinho e um Natal com alegria.

zé boldt

Edna B. disse...

Querida Lívia
Que sua inspiração seja um sentimento latente nos dias vindouros,e que o Natal não seja um dia,esse "renascer" íntimo possa estar presente em cada amanhecer de sua vida
abraços
sua amiga dos pantanos e matas
Edna

Platero disse...

Olá Lívia

Passei para lhe desejar, umas Festas Felizes e um 2008 cheio de novas poesias.

Um abraço

Nena Dolores disse...

Cara Lívia

Passando para lhe desejar um Natal cheio de amor e paz juntos aos seus!
E que venham mais inspiração e poemas lindos...

Beijo carinhoso

alexandre disse...

Olá...encontrei seu blog através do Almofariz. Um grande blog (como disse o Carlos)!

Abraços

Tania disse...

Querida Lívia,

Quase agora, quando que abri a janela desta sua casa para desejar-lhe um bom ano, me lembrei de algo que me encantou logo que cheguei aqui, foi a sua primeira postagem, onde você descrevia as razões daquele começo, e a força contida nele... E, de fato, volto sempre porque faz bem sentir essa força sincera que existe nas suas palavras.
Obrigada por compartilhar. Desejo-lhe um ano bonito nesse seu caminhar para a luz...

Um abraço com carinho.

Anônimo disse...

Nossa fiquei ate tonta com esse poema...lindo demais mesmo...PARABENS!suas palavras colocadas com tanta sensualidade e delicadeza...isso tudo nao me surpreende, de fato, imaginei vc escrevendo assim mesmo.Fico feliz por vc,so falta lançar seu livro agora! Um grande beijo, que seu ano novo seja maravilhoso com muita saude e paz.
Mil beijos.
Tania Maria

Benó disse...

2008 está a chegar!Que cada dia seja uma conquista.
Votos de FELICIDADE.

Analuka disse...

Querida Lívia, leve e denso o poema sobre o "defloramento"!... Belo exercício de desenhar, tecer, tingir com as palavras-penas-plumas-pétalas-pincéis!!!... Sim, como diz Carlos, também, também desafiante, exigente de renovadas leituras, de outros mergulhos, o teu poema-lago, poema-jardim, poema-floresta... Bom passear por este pedaço de teu mundo, neste início de ano. Aproveito o ensejo para desejar um 2008 pleno de paz, paixão e poesia! Abraços alados.

emidio disse...

recrio o que posso falar é desatino e vontade de porguntar...será que meses e anos podem acasalar? e se enganos podem ouvir e disser por amor ao tino? será que tudo serve para comer, até o agreste sorriso.

Emidio aboobacar.

gosto de todos os teus poemas

Poupine P. disse...

汽車隔熱紙不是只有3m隔熱紙。
抽脂選擇反覆式抽脂效果最好。
居家清潔可以找清潔公司服務。